instituto

Mensagens Bola de Neve de Jeremias Horta

By 13 de julho de 2020 No Comments

Bom dia.

O dia de hoje pede aconchego, não é mesmo? Apesar do frio e cinza, ele expressa paz. E então? Como está?

Tem estado mais envolvido no seu trabalho e um pouco menos nos ensinamentos. Mas percebe que que lentamente alguma mudança vai se processando em você, em seu interior.

Uma maior abertura e disponibilidade. Isso é em parte consequência de suas reflexões e em parte devido à sua fé em nossa proteção. Reflexão é fé. Dois trabalhos. Um da razão, o outro do coração. Devem andar de mãos dadas os dois, como dois irmãos inseparáveis. A fé, embora seja algo intuitivo, do coração, pode ser muito enriquecida pela reflexão, e pelos estudos racionais.

A razão, por sua vez, embora uma atividade eminente intelectual, pode ser muito ampliada pela fé.

A fé produz o movimento e a razão, a clareza. A fé o dirige e a razão vê a direção. O homem completo cultiva sempre esses dois aspectos de seu ser. Com fé, lança-se no desconhecido, no inusitado, para depois compreender através da razão. Exercitar a fé é exercitar-se no risco. Quem tem fé arrisca, sai do ambiente conhecido e protetor e se lança ao novo. O novo é que transforma, acrescenta e muda. Toda mudança vem de um ato de fé e de amor. A fé para dirigir, o amor para suporta e conviver. Alegre-se, pois, se dentro de você esses dois elementos crescerem e se ampliarem.

Ampliando a fé e o amor, ampliará, como auxílio do intelecto, a sua visão. Ver além dos limites do imaginável, ver além dos limites das convenções; eis aí a verdadeira glória. Tudo que fizer com fé o levará para o novo. A fé é uma espécie de consciência intuitiva. É uma pré-visão. Ter fé é ver com o corpo, com as vísceras, o que os olhos e a razão não conseguem ainda ver.

No mundo de que lhes falo só se pode entrar em vida, através de visão. A visão lhe permitirá voar.

Entrar nos espaços insondáveis para descobrir as verdades eternas.

Jeremias

30.08.99

Trecho do Livro: Mensagens Bola de Neve de Jeremias Horta. Pag. 43